Cidadania no ar
Busca:

ENTENDA O BARCELONA

 

Juca Kfouri

Entenda o Barcelona

O brilhante filósofo português Manoel Sérgio explica o sucesso do time catalão

LEIA AQUI parte do que escreveu o filósofo português Manoel Sérgio, publicado na íntegra página da universidadedofutebol.com.br:

“Entendo agora por que o escritor catalão Enrique Vila-Matas, um dos grandes escritores da atualidade, faz parte de um grupo de intelectuais que, periodicamente, se reúne com Pep Guardiola.

Não, não estou a dizer que o Enrique Vila-Matas sabe mais de futebol do que o Guardiola. Sabe menos! Mas da relação entre os dois (porque o futebol é uma atividade humana e não só uma atividade física) o Guardiola enriquece os seus conhecimentos do futebol e o Enrique encontra novos motivos para os temas da sua prosa.

Hoje, em qualquer comunidade científica, a multi e a interdisciplinaridade são procedimentos básicos. Por que não são na esmagadora maioria dos clubes de futebol? Porque se desconhece que só sabe de futebol quem sabe mais do que futebol.

Não há área do conhecimento que não se desenvolva sem uma sistemática relação com as demais áreas do conhecimento. A complexidade do real exige a complexidade do pensamento e da ação. E o futebol é bem mais do que a técnica e a tática. Há uma revolução a fazer no futebol.

O próprio jogador genial encontra-se em rede com os seus colegas. Compreende-se o Messi sem o Xavi e o Iniesta?

Ainda há pouco um aficionado do Barcelona me garantia que o seu clube apresenta uma indelével marca política (que não partidária): “O Barcelona, mais do que os ideais de um clube, representa os grandes anseios políticos da Catalunha”. Talvez seja por isso que muitos dos jogadores que a publicidade mais idolatra, das outras equipas, pareçam viver num mundo fictício, convencional, artificial, gritando um clubismo declamatório e balofo, nos órgãos da Comunicação Social e saltitando nas revistas cor-de-rosa, de mãos dadas com jovens artistas de quem se contam grosseiras anedotas.

Ao invés, o Messi, o Xavi e o Iniesta, não sendo monges nem deixando de ter vida afetiva, dão bem a entender que, mesmo nas suas horas de ócio, não deixam de cuidar do seu “treino invisível”. De facto, fogem daquilo que não interessa, para brilharem (com luz inusitada) naquilo que verdadeiramente lhes interessa.

O Barcelona é a melhor equipa de futebol do mundo. E por quê? Em primeiro do mais, porque, nela, o todo é mais do que a soma das partes. E aqui as partes não são só a técnica e a tática e o físico mas também o intelectual e o moral.”

blogdojuca@uol.com.br

Folha de São Paulo, 22 de dezembro de 2011

Deixe um comentário

Cidadania no ar - todos os direitos reservados