Cidadania no ar
Busca:

Perguntas sobre trânsito

1- O que fazer para aumentar o comprometimento do cidadão com a melhoria do trânsito?

Informação, educação e orientação. Não é uma fórmula mágica mas, com certeza, absolutamente eficiente. Quando cada um de nós perceber a dimensão dos riscos da negligência e da imprudência no trânsito e despertar para um comportamento mais solidário, respeitoso e preventivo nas ruas e estradas do país muitas vidas serão preservadas e sofrimentos evitados.

2- Em São Paulo existe sómente uma faixa exclusiva para motos, se
existissem em maior nº ajudaria a diminuir o nº de mortos e acidentados no transito?

A resposta para essa pergunta não é simples. O planejamento viário exige a combinação de fatores específicos como fluxo de tráfego, características sobre o tipos de veículos, áreas de acesso, entre muitos outros que influenciam nas decisões. A segregação de veículos de duas rodas, com certeza, aumenta a segurança. Mas, muitas vezes compromete o fluxo de toda a via, privilegiando um tipo de veículo que por sua natureza é individualista. Precisamos de muita segurança mas também precisamos de mobilidade.

3- Os moto boys têm 2 formas distintas de remuneração; os que ganham por produção e os que têm um salário fixo. O que pode ser feito no campo trabalhista para disciplinar essa classe?

Foi aprovado pelo Congresso Nacional um projeto de lei que trata da matéria.
A atividade, pela sua natureza específica, recomenda que seja feita de
maneira organizada e institucionalizada, através de empresas legalmente constituídas que ofereçam todas as condições do mercado de trabalho convencional.

4- Frequentemente nos deparamos com o acontecimento de TOMBAMENTO DE CAMINHÕES NAS ESTRADAS E MASRGINAIS, QUAL A CAUSA E O MOTIVO DESSES ACIDENTES?

Cada caso é um caso específico e deveria merecer por parte das autoridades uma avaliação acurada. Infelizmente, ainda não desenvolvemos em nosso país a atividade da perícia independente – feita de modo profissional e isenta – muito comum em países desenvolvidos. Podemos comparar o trânsito à saúde e à medicina. Somente a partir de um diagnóstico preciso e cuidadoso será
possível identificar o mal e, aí sim, prescrever o remédio salvador.

5- Antigamente nas escolas havia um guarda municipal para fazer a travessia das crianças. Essa figura não existe mais. O guarda funcionava como uma barreira aos traficantes de drogas, etc. Você vê condições de retornar esses guardas, pois inclusive ajudavam tbem os motoristas.

Acho que essa deveria ser uma função permanente das estruturas de
fiscalização dos municípios. Não só com a presença física de seus agentes de fiscalização mas, principalmente, na capacitação e orientação de voluntários recrutados dentre os próprios escolares (a partir de uma determinada idade) e de seus responsáveis. Monitores de Trânsito, devidamente autorizados pelas prefeituras, que atuariam durante a semana nos horários de entrada e saída das aulas.

6- Qual a sua opinião sobre a velocidade máxima que um carro pode desenvolver como característica de fabricação?

Não é o veículo, sua potência ou a habilidade do motorista que definem uma velocidade segura. Isto depende das características da via, do fluxo de veículos, das condições climáticas, da visibilidade dentre muitos outros fatores. O fundamental é – no mínimo – respeitar o limite estabelecido para a via.

7- Antigamente o entulho ficava dentro do limite dos terrenos. Hoje existem as caçambas estacionadas nas ruas. Vc. vê uma alternativa para isso?

Esse fenômeno é natural para quem optou por viver em comunidades densamente povoadas. Desde que ocupando vagas determinadas para veículos – sem invadir as calçadas – e com tempo de permanência limitado ao recolhimento do entulho acho que é possível conviver com as caçambas sem grandes problemas.

8- Quais as medidas prioritárias para melhorar o transito em SP?

De curto, médio e longo prazo. Moro no Rio e não conheço muito bem os problemas de SP. Ademais, minha especialidade é prevenção e segurança no trânsito e não planejamento viário.

9- Em sua opinião, quais as principais razões para o grande
desrespeito às regras de trânsito nos finais de semana?

Finais de semana ou dias úteis a razão é a quase certeza da impunidade. Fala-se muito em “industria de multas”. Uma grande bobagem. O que há mesmo é uma grande indústria de infrações jamais autuadas. Essa afirmação é facilmente comprovada. Fique quinze minutos observando a circulação de veículos em um determinado trecho não fiscalizado de uma grande avenida e conte quantas ultrapassagens indevidas, quantos avanços de semáforos são feitos, sem contar motoristas sem cinto, falando ao celular, transportando passageiros em excesso e estacionando irregularmente.

10- Que tipos de medidas deveriam ser implementadas para aumentar a civilidade no trânsito nos finais de semana?

Como disse inicialmente, com muita educação. Educação adequada e permanente combinada com fiscalização pontual e punição célere é a maneira mais rápida para alcançarmos a civilidade e o respeito à vida no trãnsito.

11- Como cada cidadão pode contribuir para a melhoria do trânsito?

Sendo preventivo e pensando coletivamente. É preciso reconhecer que o trânsito é, sem dúvida, o maior espaço democrático do mundo. Assim como democrático também são as conseqüências de um trânsito violento. Ele não distingue vítimas. De princesas (Diana da Inglaterra) ao mais humilde anônimo, estamos todos absolutamente vulneráveis aos seus efeitos nefastos.

Um comentário para “Perguntas sobre trânsito”

  1. jessica disse:

    eu adorei veja meu site

Deixe um comentário

Cidadania no ar - todos os direitos reservados