Cidadania no ar
Busca:

cidadã

« Posts Mais Antigos« Posts Mais Antigos

COMO FALAR EM PÚBLICO COM SUCESSO

quarta-feira, 11 de abril de 2012

INTERNADA HÁ 36 ANOS EM UTI LANÇA LIVRO DE MEMÓRIAS ESCRITO COM A BOCA

terça-feira, 10 de abril de 2012

 

 Faz 36 anos que Eliana Zagui vive deitada num leito de UTI do Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo. Vítima de paralisia infantil aos dois anos, ela perdeu os movimentos do pescoço para baixo. Respira com ajuda de equipamentos.

Na cama, a menina se formou no ensino médio, aprendeu inglês, italiano, fez curso de história da arte e tornou-se pintora. Tudo isso usando a boca para escrever, pintar e digitar. Hoje, lança (só para convidados) seu primeiro livro: “Pulmão de Aço – uma vida no maior hospital do Brasil” (Belaletra Editora).

Pulmão de aço é o nome de uma máquina, inventada na década de 1920, parecida com um forno. As pessoas com insuficiência respiratória eram colocadas dentro dela, com a cabeça de fora.

Eliana ficou cinco dias lá dentro, mas não funcionou. A pólio havia paralisado completamente o diafragma e a deglutição. Ela teve, então, que ser conectada para sempre a um respirador artificial. Só consegue ficar poucas horas longe do aparelho.

Entre 1955 e o final da década de 70, 5.789 crianças vítimas da pólio foram internadas no HC. Sete delas, atingidas com mais severidade, ficavam lado a lado na UTI. “Nós nos apegávamos um ao outro, como numa grande família. Era a única maneira de suportar aquilo tudo”, lembra Eliana.

Da turminha, só sobreviveram ela e Paulo Machado, 43, que divide o quarto com a amiga e cuja história de vida também aparece no livro. “A Eliana é minha irmã, a minha família. Tem temperamento forte. Quando vejo que ela está brava, coloco os fones de ouvido e fico na minha”, diz.

Eles poderiam viver com suas famílias, com o apoio do hospital. Mas nunca houve interesse por parte delas. Os parentes raramente os visitam. “Não me magoo mais. Já sofri muito e hoje aprendi que cada um é cada um.”

Eliana e Paulo passam a maior parte do tempo na internet. Ela gosta de sites de relacionamentos, de pintura e artesanato. Paulo é aficionado por cinema. Está envolvido na produção de uma animação cuja protagonista é Teca, o apelido carinhoso pelo qual chama Eliana. E, para ela, o amigo é o Teco.

Quando é necessário, ele faz as vezes de irmão mais velho. “Dias atrás, eu me irritei no Face [Facebook] e postei uma mensagem malcriada. O Paulo viu e me chamou a atenção”, conta Eliana, que chegou a ter 3.000 amigos virtuais. “Fiz uma limpa no final do ano e só deixei uns cem. Agora tenho uns 300, mas preciso limpar de novo.”

A saudade dos amigos reais, os quais viu morrer um a um, é o que mais a entristece. “Foram momentos tão bons. Mas não voltam mais.”

No livro, ela relata que flertou com o suicídio. “Avaliava as possibilidades: arrancar a cânula da traqueia com a boca, cortar ou furar o pescoço.” E encerra com humor. “Descobrimos que até para morrer antes da hora precisamos da ajuda de alguém.”

Eliana diz que, volta e meia, essas ideias ainda a visitam, mas que hoje tenta aliviar suas angústias nas sessões semanais de análise.

Pergunto se sonha em viver na casa dos pais. “Não. Eu iria estagnar”, responde convicta. Mas, sim, ela sonha em morar fora do hospital.

Em dezembro último, pela primeira vez em 36 anos, passou o Natal fora do HC, na casa de amigos. Foi de maca e com respirador artificial portátil. “Foi uma experiência ótima, indescritível.”

Quanto ao livro, Eliana diz esperar que ele ajude “aqueles que não querem nada com a vida”. “É claro que cada um tem as suas dores. A minha desgraça não é maior que a sua nem a sua é maior que a minha. Mas é sempre bom poder aprender a tirar o que vale a pena da vida.”

PULMÃO DE AÇO
AUTORA Eliana Zagui
PREÇO R$ 36
PÁGINAS 240
EDITORA Belaletra

CLÁUDIA COLLUCCI – Folha de São Paulo, 10 de abril de 2012.

 

 

 

INSTITUTO PRÓ-CIDADANIA

quinta-feira, 29 de março de 2012

 

SUA EMPRESA PRECISA CONTRATAR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA?

TEMOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA PARA AS VAGAS EM ABERTO.
O Instituto Pró-Cidadania possui em seu Banco de Dados mais de 55.000 Pessoas com Deficiência aptas ao mercado de trabalho.
Temos candidatos para todos os tipos de vagas, variando de engenheiros até ajudantes de produção. Solicite o book de candidatos.
Além dos candidatos auxiliamos as empresas na inclusão destas pessoas. Realizamos palestras, treinamentos, workshops e projetos de acessibilidade.

Atendemos todas as regiões do Brasil.
Informações:
(11) 3277-0337 com Silvio Dirani ou pelo e-mail comunicacao@institutoprocidadania.org.br

Saiba mais sobre o Instituto Pró-Cidadania: www.institutoprocidadania.org.br

UM EMPREENDEDOR DE SUCESSO

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

 

 No grupo Cometa, por exemplo, os livros entraram no dia a dia dos funcionários aos poucos. O presidente Francis Maris Cruz, começou a comprar exemplares de alguns títulos para compor as prateleiras de cada unidade da empresa.

Mas o que começou despretensiosamente, se tornou há seis anos um programa estruturado, batizado de Cometa Leitura, com 15 bibliotecas (uma em cada loja do grupo), cerca de 300 livros cada, voltados para temas profissionais como liderança, gestão, relação interpessoal e autoajuda.
A cada mês, os funcionários devem ler ao menos um livro e entregar um resumo do que foi lido ao departamento de RH. Em um evento mensal, alguns leitores sorteados contam sobre o enredo e tema do livro e debatem com colegas possibilidades de aplicar os conhecimentos adquiridos no dia-a-dia da empresa.
“O programa tem ajudado funcionários tímidos a serem mais participativos nas reuniões e melhorou, inclusive, seu relacionamento com colegas, amigos e família”, afirma Cristinei Rodrigues Melo, diretor administrativo do Grupo Cometa.
A participação é voluntária, mas já conta com a participação de 90% dos dois mil colaboradores do grupo. Como incentivo, a leitura de 2400 páginas ao final do ano se tornou uma das metas para que o funcionário possa receber o 14° e até o 15° salário.
Grupo Cometa “Leitura constante de livro vale dinheiro.”
OESP 05/02/2012

 

CÃO É ENTERRADO VIVO E SOBREVIVE APÓS 12 HORAS EMBAIXO DA TERRA

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

 

Cão é enterrado vivo e sobrevive após 12 horas embaixo da terra

DE SÃO PAULO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Um cãozinho de quatro meses foi enterrado vivo pelo dono em Novo Horizonte (399 km de SP). O animal passou mais de 12 horas embaixo da terra e foi resgatado anteontem por uma associação de proteção dos animais.

A Associação Mão Amiga recebeu uma denúncia de maus-tratos e o vice-presidente da entidade, Alexandre Rodrigues, foi até o local. Nenhum animal foi achado na casa do suspeito, que alegou que o cão havia fugido. Conversando com vizinhos, soube que o homem havia enterrado um cão anteriormente.

Rodrigues foi embora, mas, como a história não saía de sua cabeça, decidiu voltar no dia seguinte. Ao perceber uma porção de terra remexida, cavou e achou o filhote, que estava quase sem pelos, desnutrido e com ferimentos nos olhos. Ele foi levado a uma clínica, onde deve ficar internado por ao menos 15 dias.

O animal está com uma infecção de pele grave e teve uma úlcera no olho direito -que deve cegá-lo. Na clínica, o vira-lata começou a ser chamado de Titã, que quer dizer “filho da terra”. Há vários interessados em adotá-lo.

A polícia vai investigar o caso. O dono do animal não teve o nome revelado.

(ANDRÉ MONTEIRO E MARCELLE SOUZA) FSP 9/12/11

DÊ CARINHO

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

Folha de São Paulo 12 de outubro de 2011

ROTEIRO TURÍSTICO E CULTURAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 Nas 320 páginas deste guia, o primeiro de abrangência nacional dedicado a pessoas com deficiência, há informações indispensáveis para esse público planejar suas viagens – a passeio ou a trabalho. No último ano, pesquisamos os avanços de acessibilidade e melhoria da infraestrutura da rede turística para atender adequadamente ao turista com deficiência. Embora, como era previsível, tenhamos encontrado muitos problemas, há ganhos inegáveis nesse sentido. Com a ajuda de repórteres especializados, identificamos o que existe de melhor em turismo adaptado em dez grandes capitais brasileiras que estão entre os destinos mais procurados por brasileiros e estrangeiros. Com informação objetiva e prática de consultar – e já escrito com as regras da nova ortografia da Língua Portuguesa – o Guia presta um serviço indispensável ao turista e à rede turística, valorizando os bons exemplos e demonstrando o grande potencial de ocupação que esse público representa. Esta versão eletrônica do Guia Brasil Para Todos, foi desenvolvida de acordo com padrões de acessibilidade para leitura com softwares dedicados a pessoas cegas e com baixa visão.

 
Por Andrea Schwarz e Jacques Haber

 

SOCIEDADE VIVA CAZUZA

quarta-feira, 20 de julho de 2011

 

A Sociedade Viva Cazuza iniciou suas atividades em 1990, quando Lucinha Araújo e João Araújo, pais de Cazuza, amigos e médicos decidiram dar continuidade à sua luta contra o HIV/AIDS.

Em 1994, foi inaugurada a primeira Casa de Apoio Pediátrico do Município do Rio de Janeiro, em imóvel cedido pela prefeitura.

Para ajudar a Viva Cazuza com remédios, roupas infantis, brinquedos, alimentos não-perecíveis etc., basta entrar em contato diretamente com a Sociedade Viva Cazuza.
Endereço: Rua Pinheiro Machado, 39
Laranjeiras – Rio de Janeiro
CEP 22231-090 – Brasil
Tel.: (21) 2551 – 5368
fax: (21) 2553 – 0444
www.vivacazuza.org.br

 

enviada por Priscila Alves Pereira, São Paulo – SP.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Paul McCartney: “Se os abatedouros tivessem paredes de vidro…”  

   

 

CURSO GRATUITO DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

terça-feira, 7 de junho de 2011

 

O ROTARY 23 de Maio (em formação), em conjunto com O Colégio OSHIMAN e o DENARC (Departamento de Investigações sobre Narcóticos), está  fazendo um evento em julho, visando a formação e capacitação de Agentes Multiplicadores de Prevenção ao Uso de Drogas.
Nessa época onde o uso de drogas é crescente faz-se necessário a conscientização da nossa população.
duração: 11/07 A 15/07
horário: 19h às 22h
curso gratuito
informações: Roberto Cel. 9976 1343 
 
Roberto
secretario
cel. 9976-1343

CARTA DE HA MINH THANH

terça-feira, 10 de maio de 2011

 

A carta a seguir foi escrita por Ha Minh Thanh, um imigrante vietnamita que é policial em Fukushima no Japão. Era endereçada a seu irmão, mas acabou chegando a um jornal em Shangai que a traduziu e publicou.

 

Querido irmão,                                                       

Como estão você e sua família? Estes últimos dias tem sido um verdadeiro caos. Quando fecho meus olhos, vejo cadáveres e quando os abro, também vejo cadáveres.                        

Cada um de nós está trabalhando umas 20 horas por dia e mesmo assim, gostaria que houvesse 48 horas no dia para poder continuar a ajudar e resgatar as pessoas.

Estamos sem água e eletricidade e as porções de comida estão quase a zero. Mal conseguimos mudar os refugiados e logo há ordens para mudá-los para outros lugares.

Atualmente estou em Fukushima – a uns 25 quilômetros da usina nuclear. Tenho tanto a contar que se fosse contar tudo, essa carta se tornaria um verdadeiro romance sobre relações humanas e comportamentos durante tempos de crise.

As pessoas aqui permanecem calmas – seu senso de dignidade e seu comportamento são muito bons – assim, as coisas não são tão ruins como poderiam. Entretanto, mais uma semana, não posso garantir que as coisas não cheguem a um ponto onde não poderemos dar proteção e manter a ordem de forma apropriada.

Afinal de contas, eles são humanos e quando a fome e a sede se sobrepõem à dignidade, eles farão o que tiver que ser feito para conseguir comida e água. O governo está tentando fornecer suprimentos pelo ar enviando comida e medicamentos, mas é como jogar um pouco de sal no oceano.

Irmão querido, houve um incidente realmente tocante que envolveu um garotinho japonês que ensinou a um adulto, como eu, uma lição de como se comportar como um verdadeiro ser humano.

Ontem à noite fui enviado para uma escola infantil para ajudar uma organização de caridade a distribuir comida aos refugiados. Era uma fila muito longa e notei, no final dela, um garotinho de uns 9 anos que usava uma camiseta e um short.

Estava ficando muito frio e fiquei preocupado se, ao chegar sua vez, poderia não haver mais comida. Fui falar com ele. Ele contou que estava na escola quando o terremoto ocorreu. Seu pai, que trabalhava perto, estava se dirigindo para a escola para apanhá-lo e ele, que estava no terraço do terceiro andar, viu quando a onda tsunami levou o carro com seu pai dentro.          

Perguntei sobre sua mãe. Ele disse que sua casa era bem perto da praia e que sua mãe e sua irmãzinha provavelmente não sobreviveram. Notei que ele virou a cabeça para limpar uma lágrima quando perguntei sobre sua família.

O garoto estava tremendo. Tirei minha jaqueta de policial e coloquei sobre ele. Foi ai que a minha bolsa de bentô (comida) caiu. Peguei-a e dei-a para ele dizendo: “Quando chegar a sua vez a comida pode ter acabado. Assim, aqui está a minha porção. Eu já comi. Por que você não come”?

Ele pegou a minha comida e  fez uma reverência. Pensei que ele iria comer imediatamente, mas ele não o fez. Pegou a comida, foi até o início da fila e colocou-a onde todas as outras comidas estavam esperando para serem distribuídas.

Fiquei chocado. Perguntei-lhe por que ele não havia comido ao invés de colocar a comida na pilha de comida para distribuição. Ele respondeu: “Porque vejo pessoas com mais fome que eu. Se eu colocar a comida lá, eles irão distribuí-la mais igualmente”.

Quando ouvi aquilo, me virei para que as pessoas não me vissem chorar.

Uma sociedade que pode produzir uma pessoa de 9 anos que compreende o conceito de sacrifício para o bem maior deve ser uma grande sociedade, um grande povo.

Bem, envie minhas saudações à sua família. Tenho que ir, meu plantão já começou.

enviada por  Luiz Villares, São Paulo – SP.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Seja um cidadão do Século XXI:

 

segurança no transito

Imagine que o outro condutor é você.

 

 

– Aguarde até que o pedestre chegue à calçada.

– Respeite os pedestres, os ciclistas e os motociclistas.

– Motorista e pssageiros, usem sempre o cinto de segurança.

– Dê a vez para o veículo que precisa entrar no fluxo da rua.

– Reduza a velocidade para que o outro veículo que possa mudar de faixa de tráfego.

– Ciclista, respeite os pedestres e as regras de trânsito.

– Reduza a velocidade perto das escolas.

– Ao mudar de direção, ligue o pisca-pisca.

– Dê a vez aos ônibus.

 – Espere enquanto o carro da frente manobra para estacionar.

 – Motociclista, respeite os demais usuários das ruas. Use sempre o capacete.

 – Não jogue lixo nas ruas.

 – Respeite a sinalização.

 – Em horários de pico, seja criativo. Utilize caminhos alternativos.

 – Mantenha a calma em qualquer circunstância.

 

www.curitiba.pr.gov.br

 

10ª FEIRA INTERNACIONAL DE TECNOLOGIAS EM REABILITAÇÃO, INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

quinta-feira, 14 de abril de 2011

 


      
          Instituto Pró-Cidadania na 10ª Feira    Reatech,  de 14 a 17 de abril.

 

 

O stand do Instituto Pró-Cidadania (IPC) é o 211/110 que além de cadastrar as pessoas com deficiência para a inclusão no mercado de trabalho e tirar as dúvidas das empresas sobre esta questão, irá sortear para 1 casal, um fim de semana no Biazi Grand Hotel Serra Negra, que conta com toda infra-estrutura de lazer num ambiente cercado de muito verde e flores.

 

E não é só isso, se você gosta de sentir a adrenalina, não perca o sorteio para 2 casais radicalizarem no rafting e curtir arborismo e canoismo no Hotel das Andorinhas e mais 1 casal para passar um fim de semana no Hotel Paradies em Jarinu, pela Travel Well. Ah, o teu negócio é praia, pois bem, que tal um final de semana em Maresias, no Hotel Cocconut, muito bem acompanhado?

 

Além disso, 1 sorteado vai curtir um passeio de balão com o Rodrigo do Balão e mais 3 sortudos irão aproveitar a vista da cidade de São Paulo num vôo panorâmico com a RQ, empresa especializada em helicópteros.

 

E não para por aí, 10 sorteados provarão com 1 acompanhante, a famosa  bacalhoada do Restaurante Miradouro; mais 2 almoços ou jantares com acompanhante no Restaurante São Judas Demarchi e quem passar pelo stand do IPC poderá saborear um delicioso sorvete Saint Luiger.

 

A parceria gastronômica do IPC continua, serão 2 refeições, com acompanhante no Restaurante Choppicanha e mais 2 pessoas com acompanhante irão se deliciar com aquela comidinha de fogão a lenha no Restaurante O Compadre.

 

O mágico Reinaldo “O Mago” irá fazer apresentações no stand no sábado e domingo e no intervalo das mágicas ainda tem sorteio da churrascaria Esteio, cestas da Araucária Chocolates, vinhos e vouchers da Famiglia Mancini, passeios de escuna, ingressos para cinema, shows e muitos outros sorteios de livros e brindes.

 

Aulas de Yoga e cursos de danças também serão sorteados e 4 felizardos ganharão uma transformação no visual em um dos salões da Fashion Designers.

 

Na sexta-feira, Jonas Leme estará no stand fazendo caricaturas de graça e se a sua praia é a música não perca o sorteio de um teclado da PlayTech.

 

O atleta para-olímpico Clodoaldo Silva e o ex-jogador Rivelino também confirmaram presença no sábado, para uma tarde de autógrafos. E domingo? nosso super herói Amyr Klink estará conosco, para contar um pouco das suas aventuras.

 

Quinta e sexta estão recheadas de personalidades do Máster do Corinthians, como Zé Maria, Wagninho, Lance, Basílio, Ataliba e muitos outros.

 

E, já que estamos falando em velha guarda, lembra do cantor Gilliard? Também estará conosco na sexta-feira, para presentar-nos com uma “palinha”.

 

Achou pouco? Ainda tem mais. A MindWay, consultoria, dará 67% de desconto para treinamentos vivenciais e o Instituto Pró-Cidadania dará 50% de desconto para profissionais de Recursos Humanos, no treinamento especial para Recrutadores de pessoas com deficiência.

 

Todos os acontecimentos terão cobertura do Grupo Band, direto da feira, com a presença da rádio Nativa, realizando brincadeiras e distribuindo brindes e da rádio Jovem Pan.

 

Acabou? Não. Nosso estande terá o Boteco do IPC, aberto a partir das 16 horas, todos os dias.

 

Além do apoio de todos esses colaboradores, as empresas Ticket que é uma das empresas Edenred no Brasil, a Heringer e a clínica Bonanato são os patrocinadores oficiais do stand IPC.

 

Já deu para perceber que o IPC receberá a todos de braços abertos. Então, o que está esperando? Venha participar da feira, visite nosso stand e participe dos nossos sorteios.

 

Serviço: Feira Reatech

De 14 a 17 de abril.

Local: Centro de Exposições Imigrantes

Rodovia Imigrantes km1,5

Quinta e Sexta-feira das 13hs às 21hs.

Sábado e Domingo das 10hs às 19hs.

Estande IPC: Rua 100 stand 110 ou Rua 200 stand 211

 

Transporte gratuito todos os dias da feira, a cada 30 minutos, ida e volta, do Metro Jabaquara (Rua Nelson Fernandes, 400 – ao lado do terminal de ônibus)  para o Centro de exposição imigrantes, os ônibus são adaptados para pessoas com deficiência e público em geral.

ELES RECUPERARAM R$5,3 MILHÕES PARA SP

domingo, 20 de fevereiro de 2011

 

Indignados com vereadores de 1992 que aumentaram o próprio salário, Rosemary, Paulo e Raymundo entraram com ação na Justiça. Dezenove anos depois, ganharam.

Três vizinhos aposentados do City Boaçava, na zona oeste de São Paulo, foram surpreendidos na semana passada com a condenação de 55 ex-vereadores na Justiça. Mais surpresos eles ficaram quando emissoras de TV, parentes, amigos e conhecidos de fora da cidade começaram a procurá-los por causa da notícia.

O advogado Raymundo Medeiros, de 74 anos, Rosemary Minson, de 70, ex-secretária do Colégio Santa Cruz, e o comerciante Paulo de Oliveira, de 74, foram os responsáveis pela ação civil pública que obrigou parlamentares de 1992 a devolver R$ 5,3 milhões aos cofres da Câmara Municipal. Bem antes dessa ação, porém, o trio já batia à porta de autoridades e dos tribunais como representantes da Sociedade Amigos do Boaçava.

“Como todo mundo acha impossível ganhar ação contra aumento de político, as pessoas querem saber quem nós somos. É o vigia que para você na caminhada, é o primo da Bahia que não te vê há 20 anos e liga à noite. Nunca vi mobilização nossa gerar tanta repercussão”, conta Medeiros. Ele e os dois vizinhos também são coordenadores do Projeto Ficha Limpa em São Paulo.

O que as pessoas perguntam a todo momento é sobre a vitória judicial que abalou o Legislativo. Com modéstia fora do comum, eles relatam que foi na associação do bairro que se organizaram para mover o processo. O objetivo era contestar a legalidade do reajuste de 72% dado pela Câmara aos vereadores no início de 1992. “Passei anos sem nem lembrar disso. Mas o resultado fez compensar a espera em dobro. Deu motivação extra a nosso trabalho no Ficha Limpa”, conta Rosemary.

Descendente de ingleses, ela foi liderança ativa nas mobilizações populares da Igreja Católica nos anos 1970 na capital. “Com d. Paulo (Evaristo Arns, arcebispo benemérito de São Paulo), aprendemos a chegar às autoridades por escalas. Precisamos ter paciência nas reuniões com assessores. Esses encontros são necessários para alcançar prefeito ou governador”, acrescenta. Ela tenta segurar seu vizinho Medeiros, que quer a todo custo começar a contar detalhes do polêmico processo contra os vereadores.

Um dos primeiros moradores do Boaçava, Medeiros levantou a questão do aumento no meio de uma reunião da associação. Era noite quente de 17 de outubro de 1992 e o tema em debate era a campanha pela criação do Parque Villa-Lobos, no antigo lixão da Ceagesp. Mas o advogado enveredou a discussão para a política ao perguntar por que só o vereador Francisco Whitaker, ex-PT, tinha aberto mão do reajuste na Câmara.

Um dos presentes resolveu ligar para Whitaker no meio da reunião. “Ele estava desolado. Contou que estava sem apoio da sua bancada e do presidente do partido, que era o Lula”, lembra Medeiros. A versão do vereador causou imediata indignação. Na semana seguinte, os três vizinhos começaram a levantar assinaturas em repúdio ao reajuste. Dois meses depois, o trio ingressou com ação na Justiça, que só começou a tramitar em 1994. A meta era obrigar os parlamentares a devolver a diferença entre o antigo salário e o reajuste. O valor resgatado na semana passada, 17 anos após o início do processo, é suficiente para construir 12 creches ou um novo parque de 40 mil metros quadrados.

Conquistas. Os três fundadores da Sociedade de Amigos do Boaçava se reúnem todas as semanas há 39 anos. No momento, eles batem de casa em casa para divulgar o Ficha Limpa na zona norte. “Visitamos bairros na periferia para falar da importância do Ficha Limpa dentro da política nacional”, conta Oliveira, o mais quieto do grupo. “Já tive de falar muito sobre essa ação nos últimos dias, estou até cansado.”

A mobilização dos vizinhos dentro de uma associação trouxe melhorias significativas ao Alto de Pinheiros, uma áreas mais arborizadas e nobres da capital. Se o bairro é hoje quase um oásis no meio da metrópole, muito se deve ao trabalho dos três aposentados. O asfalto nem tinha chegado ao City Boaçava quando Medeiros, Rosemary e Oliveira fundaram a associação do bairro.

A luta dos proprietários naquele abril de 1972 era por uma rede de esgoto. Foi a batalha de “inauguração” da entidade. Foram quase quatro anos de espera até representantes da associação serem recebidos pelo então prefeito Olavo Setubal. Moradores conseguiram do prefeito não só o esgoto como a ampliação da energia elétrica no bairro e a reposição de árvores destruídas por cupins.

Mas a mais importante conquista, na avaliação do grupo, foi o Parque Villa-Lobos. “O governador Franco Montoro tinha decidido que seriam construídos conjuntos habitacionais no lixão da Ceagesp. Nós fizemos um abaixo-assinado e conseguimos uma audiência com ele. Um mês depois, Montoro passou a estudar a ideia do parque”, recorda Oliveira. Em 1994, o Villa-Lobos foi inaugurado. Com a presença do trio, claro.

Diego Zanchetta – O Estado de S.Paulo     19 de fevereiro de 2011

 

 

 



 

 

 



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

 

CONFUSÃO MENTAL DOS IDOSOS NÃO É FRESCURA

 

 

idososArnaldo Lichtenstein, médico*
Sempre que dou aula de clínica médica a estudantes do quarto ano de Medicina, lanço a pergunta:
– Quais as causas que mais fazem o vovô ou a vovó terem confusão mental? *
Alguns arriscam:
“Tumor na cabeça”.
Eu digo: “Não”.
Outros apostam: “Mal de Alzheimer”
Respondo, novamente: “Não”.
A cada negativa a turma se espanta… E fica ainda mais boquiaberta quando enumero os três responsáveis mais comuns:
– diabetes descontrolado;
– infecção urinária;
– a família passou um dia inteiro no shopping, enquanto os idosos ficaram em casa.
Parece brincadeira, mas não é. Constantemente vovô e vovó, sem sentir sede, deixam de tomar líquidos.
Quando falta gente em casa para lembrá-los, desidratam-se com rapidez. A desidratação tende a ser grave e afeta todo o organismo. Pode causar confusão mental abrupta, queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos “batedeira”),angina (dor no peito), coma e até morte.
Insisto: não é brincadeira.
Na melhor idade, que começa aos 60 anos, temos pouco mais de 50% de água no corpo.
Isso faz parte do processo natural de envelhecimento. Portanto, os idosos têm menorreserva hídrica.
Mas há outro complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de  tomar água, pois os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam muito bem.
Conclusão:
Idosos desidratam-se facilmente não apenas porque possuem reserva hídrica menor, mas também porque percebem menos a falta de água em seu corpo. Mesmo que o idoso seja saudável, fica prejudicado o desempenho das reações químicas e funções de todo o seu organismo.
 
Por isso, aqui vão dois alertas:
1 – O primeiro é para vovós e vovôs: tornem voluntário o hábito de beber líquidos.
Por líquido entenda-se água, sucos, chás, água-de-coco, leite. Sopa, gelatina e frutas ricas em água, como melão, melancia, abacaxi, laranja e tangerina, também funcionam. O importante é, a cada duas horas, botar algum líquido para dentro.
Lembrem-se disso!
2 – Meu segundo alerta é para os familiares: ofereçam constantemente líquidos aos idosos. Ao mesmo tempo, fiquem atentos. Ao perceberem que estão rejeitando líquidos e, de um dia para o outro, ficam confusos, irritadiços, fora do ar, atenção. É quase certo que sejam sintomas decorrentes de desidratação.
 
“Líquido neles e rápido para um serviço médico”.
 
(*) Arnaldo Lichtenstein (46), médico, é clínico-geral do Hospital das Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).
 
 
Enviado por Heloise Del Nero – Itatiba – SP

CONVITE – FUNDAÇÃO DORINA NOWILL PARA CEGOS

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

A Fundação Dorina Nowill para cegos, tem o prazer de convidá-lo(a) a participar de nosso grupo de voluntariado sendo mais um agente de transformação, participando de uma relação de humanidade, troca de calor e afeto. Ser voluntário é ficar feliz com a felicidade dos outros e saber que você ajudou para que isso acontecesse. Inscreva seu nome nesse coração preenchendo a ficha anexa para deixá-lo cada vez mais feliz!

FUNDAÇÃO DORINA NOWILL PARA CEGOS

CNPJ 60.507.100/0001-30 – Inscrição Estadual 104.351.820.114 CNSS Registro 72.806/53 – Cert. de fins filantrópicos 241.015/73SEBES 116 – SPS 548 Utilidade Pública: Fed. Dec. 40.969 de 15/02/57 –

Est. Lei 8.059 de 13/01/64 – Munic. Dec. 4.644 de 25/03/60

 Prezados Voluntários,

 Contamos com a sua colaboração no preenchimento do questionário anexo. Sua participação é muito importante, agradecemos pelo empenho ao preenchê-lo.

 A devolução deverá ser feita até dia 15 de Fevereiro de 2011 das seguintes formas:

 Fax: 5087-0977
 E-mail: tereza.franca@fundacaodorina.org.br

Atenciosamente,

Ivani De Gregório
Diretora da Fundação Dorina Nowill para Cegos
Departamento do Voluntariado
Rua Dr. Diogo de Faria, 558 – Vila Clementino – 04037-001 – São Paulo-SP
Tel: (011) 5087-0999 – FAX: (011) 5087-0977

 

QUESTIONÁRIO

 DADOS PESSOAIS

 Data:

 Nome:

_________________________________________________________

 Data de Nascimento: ____________________ Sexo: _______________

 Endereço (rua, nº, bairro e CEP):

_______________________________________________________________

 ____________________________________________________________

 Telefone Fixo: _____________________ Celular: ___________________

 E-mail: ___________________________________________________

 Documentos pessoais:

 RG _______________________ CPF _____________________________

 Ocupação atual:

 Trabalha? _____Se sim, aonde?  _________________________________

 Cargo ____________________________________________

 

 Outros à Preencha com X:

 ( ) Aposentada

( ) Trabalha na residência

( ) Outros         Descreva: _______________________________

 

Escolaridade:

 () Fundamental

() Médio

() Superior

() Outros        Quais? _______________________________

 Idiomas:

 () Inglês

() Francês

() Espanhol

() Outros       Quais? ______________________________

 

 Estuda. Se sim, aonde?     Nome do estabelecimento___________________

 _______________________________________________________________

 O quê?  ________________________________________________________

 Concluiu? _______________________________________________________

 
Trabalha como voluntário(a) na Fundação?  Preencha com X:

 () Sim       () Não       () Gostaria

  Preencha com X a área que atua ou que gostaria de atuar:

  () Eventos (Comemorativos, captação de recursos, visibilidade, campanhas etc.). Todo esse trabalho segue uma agenda, entramos em contato com o voluntário para saber da sua disponibilidade.

 () Guia facilitador (o voluntário é treinado para acompanhar os deficientes visuais em eventos).

 () Financeiro (disponibilidade de 4 horas semanais na Fundação).

 () Auxiliar de Revisão (o voluntário deverá dispor de 4 horas semanais; o trabalho é executado na Fundação). (Nessa atividade o voluntário faz a leitura do livro impresso e o revisor cego acompanha no texto em Braille).

 () Informática (conhecimento pacote Office e disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

 () Bazar de Novos e Usados (disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

 () Ledor Domiciliar (após a 1ª visita agendamos um teste de leitura e o trabalho é executado em casa)

 () Captação de recursos (disponibilidade de 4h semanais na Fundação) 

 () Marketing (disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

 () Bazar de costura (disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

 () Centro de memória (disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

 () Digitador (disponibilidade de 4h semanais na Fundação)

  Marque um X no(s) período(s) disponível(eis) para você exercer as atividades de voluntário:

                                Dia

Horário

Segunda-feira

Terça-feira

Quarta-feira

Quinta-feira

Sexta-feira

Manhã          
Tarde          

Esporadicamente (   ) Se for o caso, especifique esta disponibilidade: ______

______________________________________________________________________________________________________________________________________ 

Descreva um pouco sobre você e o que gostaria de fazer na Fundação Dorina Nowill.

  
  
  
  
  
  
  
  

 

 Se possível, insira aqui sua foto digital ou encaminhe 2 (duas) para o Departamento de voluntariado da Fundação Dorina Nowill

 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

 

 

 

Olá pessoal! Seremos homenageados com o Prêmio Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência.
Contamos com sua presença!
A secretaria do Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, convida para a cerimônia pública da entrega do Prêmio Governo do Estado de São Paulo – Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência 2010, a realizar-se no dia 15 de dezembro de 2010, às 17h00, na Sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Cerca de 300 inscrições participam do processo de seleção. Será uma grande festa para reconhecimento público das práticas inclusivas implementadas no Estado de São Paulo.
Venha conferir os vencedores, torcer e aplaudir as organizações que atuam na área da deficiência e que serão homenageadas.
Participe dessa grande festa!!!

Prêmio Governo do Estado de São Paulo – Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência – Edição 2010:
Dia 15 de Dezembro de 2010, às 17h00
Sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência:
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10
Barra Funda – São Paulo – SP (ao lado metrô e terminal Barra Funda).

"CAMISINHAS POÉTICAS"

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

SAÚDE
SEARA APOIA CAMPANHA DE PREVENÇÃO À AIDS ATRAVÉS DO PROJETO “CAMISINHAS POÉTICAS”
A Seara Alimentos e o escritor itajaiense J.C. Ramos  Filho* se uniram em uma ação de conscientização para prevenção à Aids. No dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids, as 13 unidades produtivas da Seara distribuirão “Camisinhas Poéticas” aos seus colaboradores contendo textos do próprio autor nas embalagens.
Em Itajaí (SC), a ação se estende a toda população, sendo distribuídos 50 mil preservativos O objetivo dessa campanha é conscientizar a população de forma criativa sobre a importância do uso do preservativo para prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. O escritório central da Seara, em Itajaí (SC), consciente da importância da mobilização nesse propósito, além de auxiliar a Secretaria Municipal de Saúde na distribuição de preservativos aos seus colaboradores, está patrocinando a ação.
Essa campanha faz parte de uma proposta lançada em 1997 por JC. Há 13 anos engajado nesse trabalho, o poeta já distribuiu mais de 400 mil camisinhas no Brasil, principalmente nas fronteiras nacionais.
Os textos poéticos são trechos do livro “Fragmento essencial” (lançado em 2004), da Editora Litteris. Além dos textos, as embalagens trazem fotos ilustradas de Itajaí do fotógrafo Victor Scheneider, com arte de Denis Uberti e Ana Paula Góis.

O poeta – J. C. (João da Cruz) Ramos Filho nasceu em 1953 na cidade de Paço do Lumiar, no Maranhão. Aprovado em concurso para o Tribunal Regional do Trabalho em Santa Catarina, veio para Itajaí em 1981. Graduado em Direito, em 1998 lançou seu primeiro livro, “Água de cacimba”, já com a proposta de aliar poesia e prevenção. O trabalho de divulgação de mensagens poéticas e educativas em embalagens de preservativo foi fortalecido em 2004 com o lançamento de “Fragmento essencial”.

*No dia 24 de novembro de 2010 – Recebeu o Título de Cidadão Itajaiense
Contato com o Poeta: jc.ramos@terra.com.br
Fone: 047 -9983-5888
www.camisinhapoetica.com.br
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=600

domingo, 18 de julho de 2010

 

DIA SEM CUSPE

 

Com o objetivo de melhorar as boas maneiras dos moradores de PEQUIM, em função das olimpíadas de 2008, a prefeitura local criou uma série de campanhas, como o Dia
Sem Cuspe, que visa fazer com que a população local abandone umvelho hábito, que é o de escarrar na rua.
Além do Dia Sem Cuspe, foram criados também o Dia do Respeito à Fila (a cada dia 11 do mês) e o Dia de Ceder o Lugar(sempre no dia 22 de cada mês) Durante as olimpíadas, essas campanhas foram intensificadas, de forma a dar uma boa impressão aos cerca de 500 mil estrangeiros, sendo 20 mil jornalistas, que estiveram lá.
                                                              revista coquetel – letrão olho grande n.243

domingo, 11 de julho de 2010

 

*Empréstimo: Camas hospitalares e cadeiras de rodas.*

 

Um ser humano muito especial, chamado Aroldo Mendonça, integrante do Rotary Clube, formou um banco de leitos hospitalares e cadeiras de rodas e os empresta, sem cobrar nada, só pedindo em troca a sua devolução, quando não é mais necessária. Ele é um anjo da guarda para muita gente.

Atualmente, o banco, conta com mais de 600 leitos espalhados por todo o Brasil, já que o Sr. Aroldo conserta e aceita doações das camas hospitalares e cadeiras de roda, mesmo quebradas, ele retira no local e leva para a sua oficina que é especializada nesse tipo de conserto; As doações são as propulsoras dos empréstimos e ajudam a mais e mais pessoas, todos os dias e em todos os pontos do país, sem pedir nada em troca..

O frete dos empréstimos fica por conta da pessoa interessada que faz uma espécie de contrato com o Sr. Aroldo por seis meses, sendo renovável por mais tempo, mediante a necessidade do prolongamento do uso do equipamento.

Caso precise, ligue para o Sr. Aroldo Mendonça:  (21) 2266-2501
(21) 2266-2501 ou  (21) 9636-8000  (21) 9636-8000

                                                              enviado por Marina Garrido, São Paulo – SP.

Cidadania no ar - todos os direitos reservados