Cidadania no ar
Busca:

Sala de leitura Fanny Abramovich

« Posts Mais Antigos« Posts Mais Antigos

O Punhal

quarta-feira, 1 de março de 2017


Jorge Fernández Díaz
Ryta Vinagre (tradução)
Editora Globo

O garoto dos meus sonhos não pode ser real. Desde quando consegue se lembrar, Alice tem sonhado com Max. Juntos eles viajaram o mundo, passearam em elefantes cor-de-rosa, fizeram guerra de biscoitos no Metropolitan Museum of Art… e acabaram se apaixonando.
Max é o garoto dos sonhos – e somente dos sonhos – até o dia em que Alice o vê, surpreendentemente, na vida real. Mas ele não faz ideia de quem ela é… Ou faz?

Enquanto começam a se conhecer, Alice percebe que o Max dos Sonhos em nada se parece com o Max Real. Ele é complicado e teimoso, além de ter uma namorada e uma vida inteira da qual Alice não faz parte.

Quando coisas fantásticas dos sonhos começam estranhamente a aparecer na vida real – como pavões gigantes que falam, folhas de outono cor-de-rosa incandescente, e constelações de estrelas coloridas -, Alice e Max precisam tomar a difícil decisão de fazer isso tudo parar.

Mesmo que os sonhos sejam mais encantadores que a realidade, seria realmente bom viver neles para sempre?

O garoto dos meus sonhos

domingo, 5 de fevereiro de 2017

livro-de-mesO garoto dos meus sonhos
Lucy Keating
Editora Globo

O garoto dos meus sonhos não pode ser real. Desde quando consegue se lembrar, Alice tem sonhado com Max. Juntos eles viajaram o mundo, passearam em elefantes cor-de-rosa, fizeram guerra de biscoitos no Metropolitan Museum of Art… e acabaram se apaixonando.
Max é o garoto dos sonhos – e somente dos sonhos – até o dia em que Alice o vê, surpreendentemente, na vida real. Mas ele não faz ideia de quem ela é… Ou faz?

Enquanto começam a se conhecer, Alice percebe que o Max dos Sonhos em nada se parece com o Max Real. Ele é complicado e teimoso, além de ter uma namorada e uma vida inteira da qual Alice não faz parte.

Quando coisas fantásticas dos sonhos começam estranhamente a aparecer na vida real – como pavões gigantes que falam, folhas de outono cor-de-rosa incandescente, e constelações de estrelas coloridas -, Alice e Max precisam tomar a difícil decisão de fazer isso tudo parar.

Mesmo que os sonhos sejam mais encantadores que a realidade, seria realmente bom viver neles para sempre?

Rita Lee: uma autobiografia

domingo, 1 de janeiro de 2017

ritaleeRita Lee: uma autobiografia
Rita Lee
Editora Globo

 

Nos últimos tempos eu tive um privilégio pra lá de especial: vi Rita escrever sua biografia. Era um momento que nem em meus sonhos mais loucos ousei experimentar. Como jornalista e curioso, sempre gostei de livros assim. História de gente interessante me move.  E vi nascer, daquelas mãos de fada com sua estrela de sete pontas tatuada, a melhor bio que já li na vida. Sem exagero.

No texto, Rita é de uma honestidade… Muitas vezes brutal. Que contrasta com sua doçura e com tanto amor e leveza. Sim, ela consegue colocar no mesmo capítulo faces tão diferentes e emoções tão distintas. Do primeiro disco voador ao último porre, Rita é consistente. Corajosa. Sem culpa nenhuma. Tanto que, ao ler o livro, várias vezes temos a sensação de estar diante de uma bio não autorizada, tamanha a honestidade nas histórias. A infância e os primeiros passos na vida artística; sua prisão em 1976; o encontro de almas com Roberto de Carvalho; o nascimento dos filhos, das músicas e dos discos clássicos; os tropeços e as glórias. Está tudo lá.

E você pode ter certeza: essa é a obra mais pessoal que ela poderia entregar de presente para nós. Rita cuidou de tudo. Escreveu, escolheu as fotos e criou as legendas – e até decidiu a ordem das imagens -, fez a capa, pensou na contracapa, nas orelhas… Entregou o livro assim: prontinho. Sua essência está nessas páginas. E é exatamente desse modo que a Globo Livros coloca a autobiografia da nossa estrela maior no mercado.

Sempre tive a certeza de que Rita é o maior compositor que já pisou nesse planeta (acho ruim escrever no gênero masculino, mas só assim para não deixar dúvidas de que ela está no topo dos topos). Através de suas canções, ela entrega os segredos da vida. Emoções e temas – muitas vezes complicados de se descreverem – aparecem de forma fluida, limpa, contundente. São revelações. Quem nunca se identificou com uma música dela? Quem é que não tem uma história com sua trilha sonora? É inegável sua importância para a cultura mundial. E com uma voz… uau! Jamais igualada.

Dito isso, musicalmente a sua importância é inegável. Agora, em 2016, Rita se reinventa. Mais uma vez. Nessa, como escritora. E das melhores! Mais do que uma celebração da vida de Rita, esse livro é uma sorte nossa, que vivemos na mesma época em que ela, por saber de sua história através da própria. E, mais do que sua vida, Rita entrega aqui parte importante da história do país, da cultura mundial. Conta passagens, descreve costumes e mudanças pelas quais passamos nos últimos anos.

Em um de seus inúmeros sucessos, Rita se descreve como ‘uma pessoa comum, um filho de Deus’. Ao ler esse livro, fica provado: comum é tudo o que a vida dela não é. Convido vocês a lerem cada página. E depois me digam se não estou certo. Quanto a você, Rita, só me resta dizer: obrigado por dividir sua história com a gente.

– Guilherme Samora é jornalista e estudioso do legado cultural de Rita Lee

Dias de abandono

domingo, 4 de dezembro de 2016

livroElena Ferrante

Editora Globo

 

No livro, a escritora escondida pelo misterioso pseudônimo utiliza suas palavras cortantes e sua clareza brutal para percorrer o turbilhão emocional vivido por Olga após um casamento fracassado. Traída e se sentindo abandonada pelo marido, a personagem enfrenta conflitos internos em meio à nuvem cinzenta da desolação e da nova e inquietante realidade que se apresenta.

Moradores de um apartamento em Turim, para onde Olga se mudou por conta da carreira profissional do marido, com dois filhos e um cachorro, Mario e Olga viveram ma relação de 15 anos com os altos e baixos de um casamento normal. Sem abalos que evidenciassem um término repentino, Olga ouve o discurso de seu marido anunciando que ele a deixaria naquele momento. As páginas seguintes vão desnudando cenas críticas do passado do casal, repassadas até a exaustão pela protagonista e misturadas à urgência do seu cotidiano completamente destruído.

Em Dias de abandono, Ferrante escancara a dor da rejeição moldada pelos sentimentos e particularidades de uma mulher. Em um corajoso e às vezes violento mergulho existencial, Olga vai aos poucos substituindo um atormentado desejo de redenção por algo ainda desconhecido.

Antes presa a um personagem construído pela sociedade e por suas próprias expectativas, ela se dá conta de que amou mais justamente quando se sentiu “enganada, humilhada e abandonada”. A raiva pela justificativa mentirosa do marido ao tê-la deixado, que antes parecia acender a urgência do amor, agora o esvazia. No espaço entre esses dois pólos distintos, sem amor, dentro do nada, resta a ela saber se novos sentidos podem tomar formas na urgência da vida.

Tudo que leve o nome de Elena Ferrante deve ser lido.
Boston Globe

Voz furiosa e torrencial como a da autora é algo raro.
The New York Times

TURMA DA MÔNICA LEITURA DIFÍCIL

domingo, 5 de junho de 2016

DÉCADA PERDIDA: DEZ ANOS DE PT NO PODER

terça-feira, 8 de setembro de 2015

 

 

 

Década Perdida: Dez anos de PT no poder
Marco Antonio Villa
Editora Record

 

 

Livro sensacional, para ser devorado e entender o nosso momento atual, recomendo para todas as idades.
O futuro depende de nossa análise e atitude frente o que está ocorrendo no País.
Francisco Cyrillo, 16 de agosto de 2015

“O Brasil de hoje é uma sociedade invertebrada. Amorfa, passiva, sem capacidade de reação. É uma República bufa, uma República petista.”
Marco Antonio Villa

 

NOSSOS ANOS VERDE-OLIVA

quarta-feira, 22 de julho de 2015

 

Cheguei a ilha de Fidel Castro fugindo de Augusto Pinochet.
A ilha era então a minha utopia. Pinochet, o meu pesadelo.
A experiência me ensinaria que ambos eram ditaduras, e que não há ditaduras boas nem justificáveis.”
Roberto Ampuero

 
“Fazia tempo que um livro não me absorvia e emocionava tanto
como esta descrição tão honesta, tão veraz e tão lúcida de uma
ilusão que compartilhamos tantos latino-americanos com a
Revolução Cubana.”
Mario Vargas Llosa

PONTO DE VISTA

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Ponto de Vista
Sonia Salerno Forjaz
Cris Eich (ilustrações)
Editora Moderna

 

 

 

 

Sensacional! Ótimo livro para se ler com os netinhos.
Francisco, São Paulo – SP.

O QUE EU FAÇO DA VIDA?

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

 


O que eu faço da vida?
Antonio Carlos Vilela
Flávio del Carlo (ilustrações
Melhoramentos

 

História ótima para todas as idades.

Francisco, São Paulo – S.P.

 

47 CONTOS DE ISAAC BASHEVIS SINGER

segunda-feira, 26 de maio de 2014

 

47 contos de Isaac Bashevis Singer

Tradução: José Rubens Siqueira

Companhia das Letras

Esse é um livro de mais de 700 páginas, distribuídas em 47 contos da cultura judaica.

Quem pertence a essa cultura vai se deliciar com as pequenas histórias, folclóricas e representativas do modo de pensar do povo judeu. Quem não conhece esse povo vai encontrar histórias fantásticas e cruéis!

Posso estar enganada, em relação ao que são essas histórias, mas eu me diverti muito!

Leitura leve e agradável!

Denise Cyrillo, São Paulo – SP.

 

CÓDEX 632

sábado, 13 de julho de 2013

 

Códex 632
José Rodrigues dos Santos
Editora Record

Ao iniciar a leitura deste livro, confesso que fiquei bastante pessimista, pois se trata de um best seller europeu com características de livros cuja leitura  não me agradam muito, pois:

1. Seu tema era o descobrimento da América e do Brasil, assuntos que eu já julgava de há muito superados;

2. Não via como fazer uma boa trama, baseando-se em assuntos tão inócuos para isto, como estes dois;

3. E mais, seu escritor era um português desconhecido para mim.

A trama tem um início criptográfico (se existe este termo) – onde se usa criptografia e o raciocínio lógico na tentativa de reproduzir os últimos passos de um emérito historiador português e seu envolvimento com:

1.  O descobrimento da América pela Espanha;

2. A nacionalidade de Cristovam Colombo;

3. O lugar onde este aportou na América;

4. O descobrimento do Brasil;

5. A participação de Dom João II e o envolvimento do Príncipe Perfeito, no “imbróglio” de escolher entre a eventualidade da existência de terras a ocidente e a Ásia ao oriente;

6. A escolha feita – bem ou mal porem feita de forma honesta e bem pensada – “A mentira vencera, a verdade jazia morta”.

Como a opinião deste historiador influi na de Tomás, outro historiador português, este o personagem principal deste livro.

Ao contrário do que eu imaginava a principio, trata-se de uma história envolvente repleta de descobertas assombrosas, mensagens criptografadas, segredos reais e assassinatos e baseada em documentos históricos verdadeiros.

Seu autor José Rodrigues dos Santos um brilhante escritor que faz deste Códex 632 um livro gostoso de ler, redigido em português falado em Portugal, cuja leitura é plena de expressões e maneirismos típicos do povo da “terrinha”.

José Roberto de Martino, Santos – SP.

 

 

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

 

A Justiça de Caim
Gallatin Warfield
Editora Record.

 

Acabo de ler este livro da BCCA.

Gallatin Warfield escritor até então desconhecido por mim, apresenta de forma incomum e muito interessante um tema que já foi muito explorado pela cinematografia americana.

Um abraço

Zié, Santos – SP.

 

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Bom dia
O livro querido John esse livro é maravilhoso, é uma historia romântica adorei teve uma parte que fala do pai de John que muito triste ate chorei.

Obrigado

Regina Fiorito, São Paulo – SP.

 

ANDERSON SILVA – O RELATO DE UM CAMPEÃO NOS RINGUES E DA VIDA

terça-feira, 15 de maio de 2012

 

Crítica

Sinceridade de Anderson surpreende

Livro de lutador de MMA flerta com autoajuda, mas oferece revelações

Mesmo apontado como melhor lutador de MMA (artes marciais mistas) de todos os tempos, Anderson Silva só agora obteve amplo reconhecimento em seu próprio país.

Veio com a explosão desse esporte para o grande público, mesmo tendo quase 15 anos de uma bem-sucedida carreira, mas já na fase final.

O ano de 2011 marcou essa virada e, pouco mais de um ano depois, uma autobiografia é lançada para explicar as origens desse “novo” personagem. “Anderson Silva – O relato de um campeão dos ringues e da vida” (Sextante, R$ 29,90, 176 págs.) é, como diz o nome, um sincero relato do lutador sobre sua vida ao jornalista Eduardo Ohata, colunista e repórter da Folha.

Educado de maneira militar pelos tios que o que criaram na capital paranaense e crescido sob a rígida ética das artes marciais, Anderson em diversos momentos flerta com a autoajuda durante sua narrativa. Os percalços da vida lhe deram esse escudo, que ele levou para o livro.

Mas jamais essa publicação poderia ser enquadrada como autoajuda. Ela é essencialmente sua história. O livro gira em torno de três eixos. O primeiro é sobre as dificuldades e dramas que teve durante a infância e a juventude, o segundo conta sua formação como lutador de artes marciais e o terceiro é focado em detalhes de momentos famosos de sua carreira.

Em uma narrativa rápida, fácil e dinâmica, Anderson surpreende pela sinceridade e pelas revelações que fez.

Mesmo com seu ar descontraído e brincalhão, ele sempre evitou entrar em detalhes sobre seu passado humilde, sobre seus dramas familiares e sobre as dificuldades que passou durante sua carreira.

Dificilmente os fãs não vão se emocionar com a separação que teve de sua mãe, com os episódios de racismo, quando foi acusado de roubo, quando perdeu uma das filhas, ou até mesmo quando pensou em matar um rival.

Silva viu sua fama ganhar uma proporção enorme após assinar com a agência do ex-jogador Ronaldo, a 9ine. Desde então, frequenta programas de auditório, aparece em capas de revistas e estrela várias campanhas publicitárias.

Sua autobiografia fecha o ciclo de reconstrução de sua imagem. Além de aproximá-lo do público com os dramas pelos quais passou, o livro traz à luz importantes passagens de sua carreira e dá sua versão sobre episódios controversos que protagonizou.

Com muito didatismo para os iniciantes no MMA, o relato também atrai os fãs de longa data, que encontrarão as explicações de Anderson para as polêmicas com Demian Maia e Vitor Belfort, por exemplo. Também há um capítulo para a épica luta com o falastrão Chael Sonnen, belo aquecimento para a revanche que está para acontecer.

Jorge Corrêa – UOL – São Paulo, 15 de maio de 2012.

 

 

 

 

COMA

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Acabei de ler o livro “Coma”, de Robin Cook.

É uma ficção científica impressionante,que me causou taquicardia! O autor engendrou tão bem a história que realmente impressiona.
Uma máfia controla médicos e hospitais, e na sala número 8 pacientes jovens e saudáveis são operados e a coma é provocada.

Os pacientes em coma, são então encaminhados para outro hospital sem comunicação e ali ocorre a “doação” de órgãos! Uma jovem médica passa a investigar esses comas estranhos!

Quem gosta de suspense vai adorar!

Abraços!

Olga Rocha, São Paulo – SP.

 

 

SALA DE LEITERA FANNY ABRAMOVICH

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

 

Tarzan, o filho das selvas
Edgar Rice Burroughs
“CODIL” 

Li sobre uma historia do Tarzan bem diferente daquele Tarzan do cinema gostei, Neste não tem aquele romantismo do cinema.
Antonio Cavallini, São Paulo – SP.  

 

SALA DE LEITURA FANNY ABRAMOVICH

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

 
O Réu
James Sheehan
ARX

 

 

 
 
 
 
 
Um romance bacana que mostra os meandros da justiça, injusta.
Um livro que prende a atenção e fascina a leitura.
Francisco, São Paulo - SP.

Será que eu respirei primeiro, ou li primeiro?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

 

 
Acredito que fiz as duas coisas simultaneamente.
È maravilhoso ler, esquecer os problemas e dar asas a imaginação.
Na leitura eu sou forte, sou corajosa e tenho todas as respostas. Sou uma super
heroína!!!
Nos livros posso vencer a chuva, o sol, a fome e ter o amor aos meus pés. Quase sem
defeitos!!!!
Mas também nos livros posso encontrar o meu espaço na sociedade e transformá-la.
Posso denunciar, gritar e saber que não estarei só.
Por que enquanto houver um curioso das letras, um faminto do saber, um desbravador
de fronteiras haverá um livro e uma escrita.
Haverá uma criança sonhadora, um adolescente engajado, um adulto competente e um
velho sábio.

 Sandra Regina Carvalho Boschilia
www.sandraboschiliablog.blogspot.com

SALA DE LEITURA FANNY ABRAMOVICH

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

 

A FILHA DA MINHA MELHOR AMIGA

 

 

 

 

 

 

O livro da Dorothy Koomson mostra as profundezas da amizade e como o amor sempre vence.

Silvio Silva, Itanhaém – SP.

 

A MOCINHA DO MERCADO CENTRAL

sexta-feira, 1 de julho de 2011

 

  

Quem estiver com um tempinho sobrando como aquele que surge quando o computador pifa e todo o trabalho tem que esperar o concerto, leia esta história simples e agradável!

Hoje em dia o jovem acaba não pensando muito no futuro, pois tudo é tão rápido, a alfabetização acontece antes dos 6 anos, os jogos de estratégia, de agilidade, de destreza logo dominam o tempo livre, junto com a faculdade são os estágios fundamentais para a experiência e para a efetivação para ganhar dinheiro, dinheiro …dinheiro.

Maria, Zoraida, … Miriam,   Nídia é a menina que se dá o tempo para encontrar seu futuro, de maneira experimental, conhecendo cidades, lugares com suas gentes e com seus desenhos. É uma menina que não conhece a leitura e pensa que viajar, ver filmes é tudo que lhe dá prazer! Mas devagarinho, sem querer, … com a ajuda da tia …, descobre os livros, descobre a vida e sua vocação, e o mistério de seu nascimento.

Poucas horas de leitura e você se renovará. Os mais velhos lastimando não ter escolhido escolher! Os mais jovens vibrando com a possibilidade de escolher!

Boa leitura!
Norma Costa, São Paulo – SP.

Cidadania no ar - todos os direitos reservados