Cidadania no ar
Busca:

Que tal uma risada?

« Posts Mais Antigos« Posts Mais Antigos

PORQUE AS MULHERES ENLOUQUECEM OS HOMENS…

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

 

 

PORQUE AS MULHERES ENLOUQUECEM OS HOMENS…

Homem – Vou sair um pouco.
Mulher – Vai de carro?
Homem – Sim.
Mulher – Tem gasolina?
Homem – Sim…. coloquei.
Mulher – Vai demorar?
Homem – Não… coisa de uma hora.
Mulher – Vai a algum lugar específico?
Homem – Não… só rodar por aí.
Mulher – Não prefere ir a pé?
Homem – Não… vou de carro.
Mulher – Traz um sorvete pra mim!
Homem – Trago… que sabor?
Mulher – Manga.
Homem – Ok… na volta eu passo e compro.
Mulher – Na volta?
Homem – Sim… senão derrete.
Mulher – Passa lá, compra e deixa aqui..
Homem – Não… melhor não! Na volta… é rápido!
Mulher – Ahhhhh!
Homem – Quando eu voltar eu tomo com você!
Mulher – Mas você não gosta de manga!
Homem – Eu compro outro… de outro sabor.
Mulher – Aí fica caro… traz de cupuaçu!
Homem – Eu não gosto também.
Mulher – Traz de chocolate… nós dois gostamos.

Homem – Ok! Beijo… volto logo….
Mulher – Ei!
Homem – O que?
Mulher – Chocolate não… Flocos…
Homem – Não gosto de flocos!
Mulher – Então traz de manga prá mim e o que quiser prá você.
Homem – Foi o que sugeri desde o começo!
Mulher – Você está sendo irônico?
Homem – Não tô não! Vou indo.
Mulher – Vem aqui me dar um beijo de despedida!
Homem – Querida! Eu volto logo… depois.
Mulher – Depois não… quero agora!
Homem – Tá bom! (Beijo.)
Mulher – Vai com o seu ou com o meu carro?
Homem – Com o meu.
Mulher – Vai com o meu… tem cd player… o seu não!
Homem – Não vou ouvir música… vou espairecer…
Mulher – Tá precisando?
Homem – Não sei… vou ver quando sair!
Mulher – Demora não!
Homem – É rápido… (Abre a porta de casa.)

Mulher – Ei!
Homem – Que foi agora?
Mulher – Nossa!!! Que grosso! Vai embora!
Homem – Calma… estou tentando sair e não consigo!
Mulher – Porque quer ir sozinho? Vai encontrar alguém?
Homem – O que quer dizer?
Mulher – Nada… nada não!
Homem – Vem cá… acha que estou te traindo?
Mulher – Não… claro que não… mas sabe como é?
Homem – Como é o quê?
Mulher – Homens!
Homem – Generalizando ou falando de mim?
Mulher – Generalizando.
Homem – Então não é meu caso… sabe que eu não faria isso!
Mulher – Tá bom… então vai.
Homem – Vou.

Mulher – Ei!
Homem – Que foi, cacete?
Mulher – Leva o celular, estúpido!
Homem – Prá quê? Prá você ficar me ligando?
Mulher – Não… caso aconteça algo, estará com celular.
Homem – Não… pode deixar…
Mulher – Olha… desculpa pela desconfiança, estou com saudade, só isso!
Homem – Ok, meu amor… Desculpe-me se fui grosso. Tá… eu te amo!
Mulher – Eu também! Posso futricar no seu celular?
Homem – Prá quê?
Mulher – Sei lá! Joguinho!
Homem – Você quer meu celular prá jogar?
Mulher – É.
Homem – Tem certeza?
Mulher – Sim.
Homem – Liga o computador… lá tem um monte de joguinhos!
Mulher – Não sei mexer naquela lata velha!
Homem – Lata velha? Comprei pra a gente mês passado!
Mulher – Tá… ok… então leva o celular senão eu vou futricar…
Homem – Pode mexer então… não tem nada lá mesmo…
Mulher – É?
Homem – É.
Mulher – Então onde está?
Homem – O quê?
Mulher – O que deveria estar no celular mas não está…
Homem – Como!?
Mulher – Nada! Esquece!
Homem – Tá nervosa?
Mulher – Não… tô não…
Homem – Então vou!

Mulher – Ei!
Homem – O que ééééééé, caralho?
Mulher – Não quero mais sorvete não!
Homem – Ah é?
Mulher – É!
Homem – Então eu também não vou sair mais não!
Mulher – Ah é?
Homem – É.
Mulher – Oba! Vai ficar comigo?
Homem – Não vou não… cansei… vou dormir!
Mulher – Prefere dormir do que ficar comigo?
Homem – Não… vou dormir, só isso!
Mulher – Está nervoso?
Homem – Claro, porra!!!
Mulher – Porque você não vai dar uma volta para espairecer?
Homem – Ah, vai tomar no c…

enviada por Luiz Villares, São Paulo – SP.

 

 

 

GAFE

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

 

                                                                                    Gafe

A mãe de Joãozinho convidou uma aniga para jantar em sua casa.
Quando  chegou, a mulher logo cumprimentou toda a família:
-Que bom que você veio, querida! – disse a mãe do  garoto.

-Imagine, é sempre um prazer vir à sua casa!
repondeu educadamente a amiga.

Durante o jantar, joãozinho, importunado, não parava de olhar por
debaixo da mesa.
Curiosa, a amiga perguintou:
Joãozinho, o que tanto você procura embaixo da mesa?

E o  menino respondeu:
-É que  minha mãe disse que você tem pé-de-galinha. mas eu ainda não
consegui ver.

enviada por Olga Cavallini, São Paulo – SP.

DANÇARINO DE BOATE GAY…

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

 
Dançarino de boate gay….
A professora pergunta na sala de aula:
– Pedrinho qual a profissão de seu pai?
– Advogado, professora.
– E a do seu pai, Marianinha?
– Engenheiro.
– E o seu, Aninha?
– Ele é médico
-E o seu pai, Joãozinho, o que faz?
-Ele… Ele é dançarino numa boate gay!
– Como assim? (pergunta a professora, surpresa)

– Fessora, ele dança na boate vestido de mulher, com uma tanguinha
minúscula de lantejoulas ; os homens passam a mão nele e poem dinheiro
no elástico da tanguinha e depois saem para fazer programa com ele.

A professora rapidamente dispensou toda a classe, menos Joãozinho
Ela caminha até o garoto e novamente pergunta:
– Menino, o seu pai realmente faz isso?
– Não, fessora. Agora que a sala tá vazia, eu posso falar :

Ele é Deputado Federal….. Mas dá uma vergonha falar isso na frente
dos outros !!!

enviada por Norma Rocha, São Paulo – SP.

SOLUÇOS DA FREIRA

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Soluços  da freira

A freira vai ao médico:

– Doutor estou com um ataque de soluços horrível.
– Tenha calma, irmã. Vamos ver qual é o problema.
Após examiná-la, o médico diz:
– Irmã, a senhora esta grávida!

A freira se levanta em pânico e sai correndo do consultório.
Uma hora depois, o médico recebe um telefonema da madre superiora do convento.
– Doutor, o que disse para a irmã Carmen?

– Madre como ela tinha uma forte crise de soluço, dei-lhe um susto
dizendo  que estava grávida. Ela parou de soluçar?

-Sim, mas o padre Paulo fez as malas e sumiu!

enviada por Olga Cavallini, São Paulo – SP.

 

6 GRANDES VERDADES

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

 

 

 

 

 

 

 

1ª Verdade:
Ninguém consegue tocar em todos os dentes da
boca com a língua.

2ª Verdade:
Todo retardado, depois de ler a 1ª verdade, tenta tocar
com a língua todos os dentes que tem na boca.

3ª verdade:
Descobre que a 1ª verdade é mentira.

4ª Verdade:
Começa a sorrir, porque concorda que é
retardado.

5ª Verdade:
Tá pensando pra quem vai enviar essas
verdades.

6ª Verdade:
E continua com o sorriso de retardado na cara!!!
Fala sério, vc tocou a língua nos dentes, né ?

EU TAMBÉM !!!

Agora pega outro…

 enviado por Sergio Mikitchuk, Brasília – DF.

FAZENDA DOS SONHOS

terça-feira, 1 de novembro de 2011

 

Uma avó estava morrendo e manda chamar o jovem neto de 28 anos em seu leito de morte:

– Meu querido, vou morrer em breve, mas quero que você saiba que vou
te deixar minha fazenda, os tratores e debulhadoras, os cavalos, vacas,
cabras e muitos outros animais, o estábulo e todas as plantações, além
de R$ 2.450.000, cuida de tudo com muito cuidado.

O rapaz, antes triste com a situação da avó, responde com os olhos cheios de lágrimas quase sorrindo:
 
– Mas Vovó, eu nem sabia que a senhora tinha uma fazenda. Onde fica?

A avó dá um último suspiro antes de morrer e responde:

 
 
 
– No Orkut…

enviada por Heloise Del Nero, Itatiba – SP.

BALEIA

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

 Uma menina estava conversando com a sua professora. A professora disse que era fisicamente impossível que uma baleia engula um ser humano porque apesar de ser um mamífero muito grande, a sua garganta é muito pequena.

.A menina afirmou que Jonas foi engolido por uma baleia.

.Irritada, a professora repetiu que uma baleia não poderia engolir nenhum ser humano; era fisicamente impossível.

 A menina, então disse:

– Quando eu morrer e for ao céu, vou perguntar a Jonas.

.A professora lhe perguntou:

– E o que vai acontecer se Jonas tiver ido ao inferno?

A menina respondeu:

– Aí a senhora pergunta.

enviada por Norma Costa, São Paulo – SP.

EXCURSÃO DAS VELHINHAS

terça-feira, 6 de setembro de 2011

 

 Um policial avista um ônibus em baixa velocidade, acha estranho e manda parar.
É uma velhinha ao volante, acompanhada de suas amigas. 
O guarda adverte:

 – Senhora, andar devagar demais pode provocar acidente! 

 – Seu guarda, sigo a sinalização, diz a mulher, apontando a placa: BR-30.

 – Senhora! Essa placa não indica limite de velocidade, e sim o número da estrada.Trate de prestar mais atenção, certo?

 – Só mais uma coisa.

 – Suas amigas estão bem? Parecem assustadas.

 – Elas já vão melhorar. É que acabamos de sair da BR-201…

enviada por Bárbara Alves, São Paulo – SP.

 

EM UM FUTURO, NÃO MUITO DISTANTE…

quarta-feira, 1 de junho de 2011

 

Outro dia estava no mercado quando vi no final do corredor um amigo da época da escola, que não encontrava há séculos. Feliz com o reencontro me aproximei já falando alto:

– Oswaldo, sua bichona ! Quanto tempo !!!!

E fui com a mão estendida para cumprimentá-lo. Percebi que o Oswaldo me reconheceu, mas antes mesmo que pudesse chegar perto dele só vi o meu braço sendo algemado.

– Você vai pra delegacia! – Disse o policial que costuma frequentar o mercado.

 Eu sem entender nada, perguntei:

 – Mas o que que eu fiz?

 – HOMOFOBIA! Bichona é pejorativo, o correto seria chamá-lo de grande homossexual.

 Nessa hora antes mesmo de eu me defender o Oswaldo interferiu tentando argumentar:

 – Que isso doutor, o “Marcão quatro-olhos” aí é meu amigo antigo de escola, a gente se chama assim na camaradagem mesmo!!

– Ah, então você estudou vários anos com ele e sempre se trataram assim?

 – Isso doutor, é coisa de criança!

 E nessa hora o policial já emendou a outra ponta da algema no Oswaldo:

 – Então você tá detido também.                        

 Aí foi minha vez de intervir:

– Mas meu Deus, o que foi que ele fez?

– BULLYING! Te chamando de quatro-olhos por vários anos durante a escola.

 Oswaldo então se desesperou:

 – Que isso seu policial ! A gente é amigo de infância ! Tem amigo que eu não perdi o contato até hoje. Vim aqui comprar umas carnes prum churrasco com outro camarada que pode confirmar tudo!

E nessa hora eu vi o “Jairzinho Pé-de-pato” chegando perto da gente com 2 quilos de alcatra na mão. Eu já vendo o circo armado nem mencionei o Pé-de-pato pra não piorar as coisas, mas ele sem entender nada ao ver o Oswaldo algemado já chegou falando:

– Que porra é essa negão, que que tu aprontou aí?

 E aí não teve jeito, foram os três parar na delegacia e hoje estamos respondendo processo por HOMOFOBIA, BULLYING e RACISMO.

 Moral da história: Nos dias de hoje é um perigo encontrar velhos amigos.

enviada por Luiz Villares, São Paulo – SP.

ORDEM DE NASCIMENTO DOS FILHOS

sexta-feira, 6 de maio de 2011

 

ORDEM DE NASCIMENTO DOS FILHOS

O 1º filho é de vidro…
O 2º é de borracha…
O 3º é de aço.

PLANEJAMENTO

O 1º filho é (em geral) desejado
O 2º é planejado
O 3º é escorregado…

A ORDEM DE NASCIMENTO DAS CRIANÇAS

1º- Os irmãos mais velhos têm álbum de fotografias completo, relato
minucioso do dia que vieram ao mundo, fios de cabelo e dentes de leite
guardados.
2º – O segundo mal consegue achar fotografias do primeiro aniversário.
3º- Os terceiros, não fazem ideia das circunstâncias em que
chegaram à família

O que vestir

1º bebé – Você começa a usar roupas de grávidas assim que o exame
dá positivo.
2º bebé – Você usa as roupas normais o máximo que puder.
3º bebé – As roupas para grávidas são as suas roupas normais, porque já
deixou de ter um corpinho de sereia e passou a ter um de baleia.

Preparação para o nascimento

1º bebé – Você faz exercícios de respiração religiosamente.
2º bebé – Você não se preocupa com os exercícios de respiração –
afinal lembra-se que, na última vez, eles não funcionaram.
3º bebé – Você pede para tomar a peridural no 8º mês porque se lembra
que dói muito.

O guarda-roupas

1º bebé – Você lava as roupas que ganha para o bebé, arruma de
acordo com as cores e dobra delicadamente dentro da gaveta.
2º bebé – Você vê se as roupas estão limpas e só descarta aquelas
com manchas escuras.
3º bebé – Meninos podem usar rosa, não é? Afinal o seu marido é
liberal e tem certeza que o filho vai ser macho igual ao pai! (será
que vai mesmo?)

Preocupações

1º bebé – Ao menor resmungo do bebé, você corre para lhe pegar ao colo.
2º bebé – Você pega no bebé ao colo quando os gritos ameaçam
acordar o irmão mais velho..
3º bebé – Você ensina o mais velho a abanar o berço
ou manda o marido ir ao quarto da criança.

A chupeta

1º bebé – Se a chupeta cair ao chão, você guarda-a até que possa
chegar a casa e fervê-la.
2º bebé – Se a chupeta cair ao chão, você lava-a.
3º bebé – Se a chupeta cair ao chão, você passa-a na camisa, dá
uma lambidela, passa-a de novo na camisa, desta vez para dar secar e não pegar a doença dos sapinhos ao bebé, e dá-a novamente ao bebé, porque o
que não mata, engorda (vitamina B, de Bicho, off course!)

Muda de fraldas

1º bebé – Você troca as fraldas a cada hora, mesmo que elas estejam limpas.
2º bebé – Você troca as fraldas a cada duas ou três horas, se necessário.
3º bebé – Você tenta trocar a fralda somente quando as outras
crianças começam a reclamar do mau cheiro.

Banho

1º bebé – A água é filtrada e fervida e a temperatura medida por
termómetro.
2º bebé – A água é da torneira e a temperatura é fresquinha.
3º bebé – É enfiado directamente debaixo do chuveiro à temperatura
que vier, porque você, o seu marido e os seus pais foram criados assim, e
ninguém morreu de frio.

Actividades

1º bebé – Você leva o seu filho às aulas de musica para bebés, ao
teatro, à narração de histórias, à natação, ao judo, etc…
2º bebè – Você leva o seu filho à escola e vá lá…
3º bebé – Você leva o seu filho ao supermercado, à padaria, à
manicure, e o seu marido que trate de o levar à escola e ao campo
de futebol…

Saídas

1º bebé – A primeira vez que sai sem o seu filho, liga cinco vezes
para casa da sua mãe, para saber se ele está bem (a sua sogra não pode ficar com a criança porque na sua cabeça, ela nunca foi mãe).
2º bebé – Quando você está a abrir a porta para sair, lembra-se de
deixar o número de telefone à empregada.
3º bebé – Você manda a empregada ligar só se vir sangue.

Em casa

1º bebé – Você passa boa parte do dia só olhando para o bebé.
2º bebé – Você passa um tempo olhando para as crianças só para ter
certeza que o mais velho não está apertando, mordendo,
beliscando, batendo ou brincando ao superman com o bebé, amarrando um
saco de plástico do carrefour ao pescoço dele ou atirando-o de cima do sofá.
3º bebé – Você passa todo o tempo a esconder-se das crianças.

Engolir moedas

1º bebé – Quando o primeiro filho engole uma moeda, você corre para
o hospital e pede um raio-x.
2º bebé – Quando o segundo filho engole uma moeda, você fica a pau até ela sair.
3º bebé – Quando o terceiro filho engole uma moeda, você desconta
na mesada dele.

Fernanda Rodrigues Franhan
enviada por Luiz Villares, São Paulo – SP.

AGENTE FUNERÁRIO EFICIENTE

quarta-feira, 27 de abril de 2011

 

Uma velhinha acabou de ficar viúva e foi até a funerária para ver como seu marido estava sendo preparado para o enterro. No momento em que ela vê o corpo, começa a chorar muito.

O homem da funerária vendo a cena se aproxima e começa a consolá-la, mas ela diz que não está chorando pela perda do marido e sim por causa do terno que ele está usando.
Ela explica que eles o vestiram com um terno preto e o desejo do finado sempre tinha sido de ser enterrado com um terno azul turquesa.

O homem explica que tradicionalmente sempre usam ternos pretos, mas que ele faria o possível para atender o desejo do falecido.

Meia hora mais tarde, a velhinha retorna à funerária e ao ver seu marido quase chora novamente, mas dessa vez de alegria.
Lá está seu marido com o mais bonito terno azul turquesa que ela jamais vira em sua vida.
O homem da funerária aproxima-se dela e pergunta:
– Está tudo de acordo ?
– Sim, sim! Maravilhoso! Mas onde o senhor conseguiu um terno tão lindo tão rapidamente?
– Veja bem: depois que a senhora saiu, um outro morto do tamanho do seu marido foi trazido e ele usava esse terno azul.
A viúva dele também estava triste porque ele sempre quis ser enterrado em um terno preto.

A velhinha então sorri para o homem encantada com a consideração dele. Até que ele continua sua explicação:

– Aí ficou fácil… foi só trocar as cabeças!

enviada por Luiz Villares

O VALOR DE UMA DONA DE CASA

sábado, 16 de abril de 2011

 

 

Um homem chegou em casa, após o trabalho, e encontrou seus três filhos brincando do lado de fora, ainda vestindo pijamas.
Estavam sujos de terra, cercados por embalagens vazias de comida entregue em casa.
A porta do carro da sua esposa estava aberta.
A porta da frente da casa também.

O cachorro estava sumido, não veio recebê-lo.
Enquanto ele entrava em casa, achava mais e mais bagunça.
A lâmpada da sala estava queimada, o tapete estava enrolado e encostado na parede.
Na sala de estar, a televisão ligada aos berros num desenho animado qualquer, e o chão estava atulhado de brinquedos e roupas espalhadas.

Na cozinha, a pia estava transbordando de pratos; ainda havia café da manhã na mesa, a geladeira estava aberta, tinha comida de cachorro no chão e até um copo quebrado em cima do balcão.
Sem contar que tinha um montinho de areia perto da porta.
Assustado, ele subiu correndo as escadas, desviando dos brinquedos espalhados e de peças de roupa suja.

‘Será que a minha mulher passou mal?’ ele pensou.

‘Será que alguma coisa grave aconteceu?’

Daí ele viu um fio de água correndo pelo chão, vindo do banheiro.
Lá ele encontrou mais brinquedos no chão, toalhas ensopadas, sabonete líquido espalhado por toda parte e muito papel higiênico na pia.
A pasta de dente tinha sido usada e deixada aberta e a banheira transbordando água e espuma.

Finalmente, ao entrar no quarto de casal, ele encontrou sua mulher ainda de pijama, na cama, deitada e lendo uma revista.
Ele olhou para ela completamente confuso, e perguntou: Que diabos  aconteceu aqui em casa?

Por que toda essa bagunça?

Ela sorriu e disse:

– Todo dia, quando você chega do trabalho, me pergunta: 
 

‘- Afinal de contas, o que você fez o dia inteiro dentro de casa?’

-‘Bem… Hoje eu não fiz nada, FOFO !!!!

enviada por  Sergio Mikitchuk, Brasília – DF

APRENDA A DAR PRESENTES.

sábado, 26 de março de 2011

 

Três filhos saíram de casa, conseguiram bons empregos e prosperaram. Anos depois, eles se encontraram e estavam discutindo sobre os presentes que eles conseguiram comprar para a mãe, que já era bem idosa.

O primeiro disse:

– “Eu consegui comprar uma casa enorme para nossa mãe.” 

O segundo disse:

– “Eu mandei para ela uma Mercedes zerinho com motorista.”

O terceiro sorriu e disse:

– “Certamente meu presente foi melhor. Vocês sabem como a mamãe gosta da Bíblia, mas ela está praticamente cega e não consegue mais ler. Então mandei pra ela um papagaio marrom raro que consegue recitar a Bíblia todinha. Foram 12 anos de treinamento num mosteiro, por 20 monges diferentes.
Eu tive de doar US$ 100,000.00 para o mosteiro, mas valeu a pena. Nossa mãe precisa apenas dizer o capítulo e versículo que o papagaio recita sem um único erro.”

Tempos depois, os  filhos receberam da mãe uma carta de agradecimento pelos presentes:

Primeiro:

– “Marlon, a casa que você comprou é muito grande. Eu moro apenas em um quarto, mas tenho de limpar a casa todinha…”

Segundo:

– “Maycon, eu estou muito velha pra sair de casa e viajar. Eu fico em casa o tempo todo e nunca uso o Mercedes que você me deu. E o motorista também é muito mal educado…”

Terceiro:

– “Querido Marvin, você  foi o único filho que teve bom senso pra saber que o que a sua mãe realmente gosta é de coisas simples.

“Aquele franguinho estava delicioso, muito obrigada.”

enviada por Janina Popak Maria, São Paulo – SP.

CARRO

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

 

 

Mãe, vou te contar logo – bati nosso carro !
Meu Deus, filha! Machucou?
Não! Está tudo bem.
Bateu o carro onde, minha filha?
Na árvore que fica bem na nossa calçada, quando entrei na garagem…
Mas querida, nossa entrada de garagem fica na rua de trás !

É que…    é melhor a senhora ver…

 

enviada por Luiz Villares, São Paulo – SP.

ARMÁRIO

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

 

A mulher compra um armário na Tok Stok e decide montá-lo para fazer uma surpresa para o marido.
Ela segue direitinho as instruções e, em meia hora, termina.

Neste momento passa um ônibus na rua. O chão vibra, o armário treme, treme, e bruumm, espatifa-se no chão. A mulher fica surpresa mas não desiste. Remonta o armário, segue todas as etapas, uma por uma, e acrescenta mesmo uma pontinha de Super- Bonder aqui e ali.
“Pronto! Terminado!” pensa ela triunfante.
Mas logo passa um outro ônibus, de novo o chão treme, o armário balança, cai e… esfacela-se.

Ela, agora zangada, chama o serviço de pós-venda da Tok Stok. Logo em seguida um técnico chega no apartamento, olha tudo e diz:
– Deixa comigo, dona, que eu monto este armário em 15 minutos!

E realmente 15 minutos depois o armário está montado e perfeito. Mas logo um ônibus passa, o chão vibra, o armário treme, treme, e se espatifa em mil pedaços!

– Ah, não acredito nisso! – exclama o técnico. Ele reinicia a montagem, agora com uma cola super super forte, parafusos adicionais, uns pregos aqui e ali… pronto, terminado!
Mas basta um ônibus passar mais uma vez que o armário se arrebenta outra vez.
O técnico fica furioso e não se conforma. Telefona para o departamento técnico da loja, pega algumas dicas e remonta o armário, desta vez com todos os reforços possíveis.
E para descobrir o que realmente acontece quando o ônibus passa, ele decide ficar dentro do armário.

Nesse momento o marido, super ciumento, volta do trabalho. Assim que ele entra em casa, vê a caixa de ferramentas, as guimbas de cigarro, o casaco do técnico, e exclama para a mulher:

– Você está me traindo, tenho certeza!! De quem é esse casaco? E esses cigarros? E o que faz este armário novo aqui!? Tenho certeza de que ele está aí dentro!

E sem dar tempo para a esposa explicar a situação, ele abre o armário e ao ver o técnico, pergunta agressivamente:

– E você, hein, o que  está fazendo aí!!??

O técnico responde:

– O senhor não vai acreditar, mas estou esperando o ônibus!

enviada por  Luiz Villares, São Paulo – SP.

MORREU DE QUÊ?

domingo, 9 de janeiro de 2011

  

Zé:      Bença padre.
Padre: Deus o abençoe meu filho.
Zé:      Padre, o sr. Lembra do João pintor?
Padre: É claro, meu filho.
Zé:      Pois é Padre, o João veio a falecer.
Padre: Que pena, morreu de quê?
Zé:      Olha, Padre. Eu moro numa rua sem saída e minha casa é a última.
Ele desceu com o carro e bateu no muro lá de casa.
Padre: Coitado, morreu de acidente.
Zé:      Não, ele bateu com o carro no muro e voou pela janela. Caiu dentro
do meu quarto e bateu a cabeça no meu guarda-roupa de madeira.
Padre: Que pena, morreu de traumatismo craniano.
Zé:      Não Padre, ele tentou se levantar pegando na maçaneta da porta que
se soltou e ele rolou escada abaixo.
Padre: Coitado, morreu de fraturas múltiplas.
Zé:      Não Padre, depois de rolar a escada ela bateu na geladeira, que
caiu em cima dele.
Padre: Que tragédia, morreu esmagado.
Zé:      Não, ele tentou se levantar e bateu as costas no fogão que tombou
derramando a sopa que estava fervendo em cima dele.
Padre: Coitado, morreu queimado.
Zé:      Não Padre, no desespero saiu correndo, tropeçou no cachorro e foi
direto na caixa de força.
Padre: Que pena, morreu eletrocutado.
Zé:      Não Padre, morreu depois d’eu dar dois tiros nele
Padre: Filho, você matou o João?
Zé:      Uai, o fio da mãe tava destruindo a minha casa!!!…

enviada por José Bueno, São Paulo – SP.

Diferença entre um cidadão e um político

domingo, 26 de dezembro de 2010

 

Certo dia um florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu:
– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O florista ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista.
Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse:
– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O padeiro ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro.
Naquele terceiro dia veio um deputado para um corte de cabelo. Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse:
– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O deputado ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, quando o barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo.

enviada por José Bueno, São Paulo – SP.

ENGENHEIRO

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Um Engenheiro morreu e chegou às portas do Céu. É sabido que os Engenheiros, por sua honestidade, sempre vão para o céu.

São Pedro procurou a ficha do Engenheiro em seus arquivos mas, como andava um pouco desorganizado ultimamente, não a encontrou na montanha de documentos. Então, ele falou para o Engenheiro:

– Lamento, mas Seu nome não consta em minha lista….

Assim, o Engenheiro foi até as portas do Inferno, onde Lhe deram imediatamente moradia e alojamento.
Pouco tempo se passou e o Engenheiro se cansou de sofrer as agruras do inferno.

Ele se pôs, então, a projetar e construir melhorias.
Com o passar do tempo, o Inferno já tinha ISO 9000, sistema de monitoramento de cinzas, ar condicionado, banheiros com drenagem, escadas rolantes, aparelhos eletrônicos, redes de telecomunicações, programas de manutenção predial, sistemas de controle visual, sistemas de detecção de incêndios, termostatos digitais, etc…

E o Engenheiro passou a ter uma excelente reputação.

Um dia, Deus, estranhando a falta de reclamações que normalmente lhe chegava das bandas do Inferno, chamou o Diabo pelo telefone e perguntou desconfiado:

– Como estão vocês aí no Inferno?

– Nós estamos muito bem! Temos ISO 9000, sistema de monitoramento de cinzas, ar condicionado, banheiros com drenagem, escadas rolantes, aparelhos eletrônicos, internet, etc. Se quiser, pode me mandar um e-mail para meu endereço, que é odiabofeliz@inferno.com. E olhe que eu ainda nem sei qual será a próxima surpresa que o Engenheiro nos reserva!

– O QUÊ?! O QUÊ?! Vocês TÊM um Engenheiro aí no Inferno?? Isso é um erro! Nunca deveria ter chegado aí um Engenheiro! Os Engenheiros sempre vão para o Céu;
isso é o que está escrito e já está resolvido. Mande-o de volta para o Céu imediatamente!

– De jeito nenhum! Eu gostei de ter um Engenheiro na organização… E ficarei eternamente com ele.

– Mande-o para mim ou… EU LHE PROCESSO!!…

E o Diabo, dando uma tremenda gargalhada…

Bom, o resto da história eu prefiro não contar…

Este foi o fato.

Agora, o perfil:

BASTA ENTENDER  OS  ENGENHEIROS,  AMÁ-LOS,  
ABENÇOÁ-LOS,  E  DAR  GRAÇAS  A  DEUS  POR  
TÊ-LOS  CRIADO!!

1. Um Engenheiro não é prepotente, apenas está rodeado de inúteis.

2. Um Engenheiro não tem o ego muito grande, o quarto é que é muito pequeno.

3. Não é que o engenheiro queira sempre ter a razão, os outros é que sempre cometem algum erro.

4. Não falta sentimentos ao Engenheiro, os outros é que são bebês chorões.

5. Um Engenheiro não tem vida desorganizada, apenas tem um ritmo de vida muito particular.

6. Um Engenheiro não vê o mundo, Ele o muda.

7. Um Engenheiro não é um orgulhoso arrogante, os humanos é que simplesmente não entendem isto.

8. O Engenheiro não é um ser frio e calculista, Ele simplesmente acha divertido passar por cima de pessoas comuns.

9. Um Engenheiro não é  problemático, os usuários é que não entendem nada.

10. Um Engenheiro não é  crítico, os erros das pessoas é que são muito evidentes.

11. Um Engenheiro não é um inútil para fazer tarefas diárias, é que as pessoas comuns gastam a sua valiosa energia em coisas tolas, e um esfregão não necessita um planejamento muito complexo, e nem pode ser configurado.

12. Não é que o trabalho o absorva, é que… do que é que eu estava falando mesmo?

13. Um Engenheiro não comete erros, apenas testa os outros para ver se estavam prestando atenção.

14. Não é que eles se acham grande coisa, é que ELES O SÃO mesmo !

Mas, lembrem-se: mesmo seres assim tão perto da perfeição,
têm lá os seus problemas… De forma que os que não são
Engenheiros devem sempre procurar compreender essas
almas tristes e torturadas entre a genialidade e a incompreensão.
 
                                                enviada pelo engenheiro Dr. Roberto Boscarriol

JOÃOZINHO

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Na sala de aula, o professor estava analisando, com seus alunos, aquele
famoso poema de Carlos Drummond de Andrade:

“No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho.
E eu nunca me esquecerei
Que no meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho.”

Depois de ter explicado exaustivamente que, ao analisarmos um poema,
podemos detectar as características da personalidade do autor, implícitas no texto, o professor pergunta:

– Joãozinho, qual a característica de Carlos Drummond de Andrade que
você pode perceber neste poema?

– Uai, professor, eu tô matutando aqui: ou ele era traficante ou usuário.

                                                                            Enviada por Heloise Del Nero, Itatiba – SP.

Vovó não sabe tudo…

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

 

Rebeca tem 9 anos e foi passar uns dias na casa da vovó.

Ela estava brincando na rua com alguns coleguinhas e uma hora entrou em casa perguntando:
– Vovó, como se chama aquilo quando duas pessoas dormem no mesmo quarto e ficam uma em cima da outra? 
A vovó se assustou com a pergunta, pensou e achou que seria melhor dizer a verdade:
– Bem,

isso se chama uma relação sexual.

Satisfeita com a resposta voltou para a rua para brincar.
Dentro de instantes ela entra em casa novamente todo esbaforida e diz:
– Vovó, aquilo que eu perguntei, se chama BELICHE, e a mãe do Zezinho quer falar com a senhora…

                                                                enviada por Luiz Villares, São Paulo – SP.

Cidadania no ar - todos os direitos reservados